nós

Trocámos as voltas. Trocámos as botas. Eis-nos nos pés uma da outra.

É como se não lhe chegasse o sol, o oxigénio, o chão. Como se o horizonte fosse sempre perto de mais e a distância toda relativa. A Bárbara é esta exploradora insaciável de geografias e viagens baratas, sempre a revolver-se no mapa e a tremer nos aviões. É um radar atento, é uma bússola de escala métrica graduada, a Bárbara só não é um GPS porque não gosta de GPSs. Se pára parte, quebra-se toda por dentro e não há quem a concerte ou quem a contente. Tem uma tensão muito própria, uma espécie de descarga atmosférica na voltagem pacata de um dia qualquer. A Bárbara é bossa nova, rock’n’roll e chungaria e ainda canta o fado. Tem um bom gosto invulgar, entende o caos e cria por cima, cheia de sensibilidades e descuidos tortos. É uma atiradora de retratos, de disparo rápido, certeiro e enquadramento bem sacado. Uma pistoleira das palavras, bandida do trocadilho e da expressão rasgada. É a Bárbara. Não é toda a gente que aguenta um nome destes, mas a Bárbara faz-lhe o elogio.

De sorriso inquietante e gargalhada fácil, a Ana é senhora de uma beleza perigosa e de um valente geniozinho. Ao elogio, deita os olhos para o chão e sorri de esguelha com um tom corado na pele. Mas é no nariz que lhe está o afinco e é no queixo que segura uma leve pontada de ironia. Nos pés traz um andar gingão pronto a tropeçar. E com a cabeça no ar dá largas passadas sem rumo, acalentadas pelos sons altos dos headphones e pelos altos devaneios que traz no bolso do casaco. Devaneios e fantasias, blocos de notas e moleskines, poesia e postais ilustrados, óculos de sol e batom de cereja que vão fazendo ricochete na grande bolsa que traz ao ombro e que carrega com toda a pose e que leva para todo o lado. Ombros de costas largas para o realismo e surrealismo que lhe vai ao peito. Mas na literatura faz também beicinho a longos e intermináveis romances e desmancha-se nas estórias ilustradas com tinta da china. A nós baralha-nos os pontos cardeais e faz-nos em bocadinhos quando deita o coração ao alto e se desfaz em generosidade. Com as palavras costuma perder-se. E com a ponta dos dedos escreve estórias que não são da carochinha mas que vão fazer muita gente ir à janela.

Agora que já falámos de nós, falem connosco aquiondejudasperdeuasbotas@gmail.com.

Anúncios

5 thoughts on “nós

  1. Sofia diz:

    Inspiradora a viagem…. os textos e as fotografias divinais. Fantástico. parabéns pela iniciativa…
    Acho que vou olhar para este blog nas segundas feiras de manhã cinzentas… para ver mais além : )

  2. Pedro Lima diz:

    E gastar mais solas por esse mundo fora em busca de boas histórias
    beijinhos
    Lima

  3. Pedro Fiuu diz:

    Tá mt fixe, adorei principalmente o pormenor das fotos com as botas 🙂

    Agora botas pá frente!

  4. A simões diz:

    Só tive pena de não ter ido também!

  5. ola!!! no caso que precisam lugar para dormir em Amsterdão ou no St. Peterburgo ( russia) pode contar comigo, bjs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: