Não é uma ilusão, é Edimburgo

O Martinho andou atrecidinho por terras escocesas a aquecer-se em filmes, salas de cinema, projecções, em westerns, thrillers, suspense, romance, lojas de discos, bares, pubs, discotecas, restaurantes e casas bonitas. E  quando a nossa Pé 39 lá foi aquecer-lhe os pés, já o Martinho, de pés em brasa, conhecia os hot spots lá do sítio.

The Edimbra Music Scene

Edimburgo ou ‘Edimbra’ como dizem os locais, é a capital da Escócia e um sítio cheio de personalidade, beleza e frio. Sim, não se pode escrever sobre a cidade sem referir este ponto (o escritor é, como todos os lisboetas dignos desse nome, sensível a temperaturas baixas). Mas não se pense que essa característica lhe retira qualquer encanto. Antes pelo contrário: é a pedra de toque nesta bonita cidade nortenha à beira-mar, cavada num vale e com colinas verdes e casas castanhas, numa estética muito sóbria e charmosa, digna do mais refinado estilo britânico (mas atenção, que eles não nos oiçam a dizer esta palavra: os ‘Scots’ são nacionalistas até dizer chega).

Um fim-de-semana é sempre curto para se aproveitar ‘Edimbra’ em todo o seu potencial. Mas é possível em dois dias ter uma boa introdução a esta terra muito própria, entre passeios, comidas, visitas e danças. Este guia faz-se a pé, com ou sem botas, para se apanhar com este bom ar escocês na cara.

— Dia um

Edimburgo é uma cidade entre tempos: a mais medieval Old Town, com o Royal Mile que sobe desde o Parlamento até ao Castelo, é onde se encontra a sua Universidade e os edifícios mais emblemáticos da sua história. É também o lugar dos pubs mais duros e dos clubes mais animados. Comece-se o dia a descer a Royal Mile (ou Canongate, aquele nome oficial que como todos os nomes oficiais é completamente desconhecido) e a parar na Clarinda’s Tea Room, já perto do Parlamento, onde se pode tomar um pequeno-almoço de chá, scones e biscoitos, tudo com um estilo muito “scottish house wive”. Depois, passando o Parlamento, seguir para Holyrood Park, o maior pedaço de verde dentro da cidade, e subir até ao topo, o famoso Arthur’s Seat, com uma vista incrível sobre a cidade. Recomenda-se protecção contra as fortes rajadas de vento que rodeiam a encosta.

Depois duma valente subida, nada como dar outra pelo Royal Mile até chegar a Cockburn Street. Dizem que o cansaço é o pai do apetite. Nada melhor que parar na Baked Potato Shop e pedir uma batata enchida com os mais diversos condimentos (tudo vegetariano). Sugestão? O Veggy Chilli ou o Spicy Humus merecem as melhores atenções.

Em seguida, continuar a subir até ao Castelo. A entrada é cara, apesar de haver muito que ver por dentro sobre a história da cidade e do país (sim, eles também me deram a volta: Go Scotland for Independence!) e por isso basta ir até à porta, dar meia volta e seguir depois para o Old College em Chambers Street, o edifício mais antigo da Universidade, onde se encontra também o National Museum of Scotland, gratuito e cheio de novidades para quem quiser conhecer mais sobre os homens do norte. Outra hipótese é passear até aos Meadows, o parque universitário, ou voltar a Cockburn Street e dar uma olhadela nas múltiplas lojas e galerias de arte que por lá se encontram.

Se o cansaço já for algum e se quiser um café num sítio diferente, o Forest Café em Bristo Place é o local ideal. O espaço é ocupado por uma associação cultural que promove várias actividades, desde concertos, teatros e projecções de filmes. Os bolos são bons e o ambiente jovem, descontraído e artístico é uma instituição da cidade. E, diga-se, o café aceita contribuições para ajudar a manter as portas abertas. Comer, beber, doar. Thumbs up, lad.

Enfim, faz-se tarde. E se o apetite já era muito, de tarde ainda fica mais. Por isso, terminando este primeiro périplo, o lugar certo para uma refeição de valor é o Deacon Brody’s Tavern, no fim do Royal Mile. O prato a comer deve ser Haggis, um estufado de borrego picante servido com puré e legumes, com um bom Ale (Caledonian, por exemplo) a acompanhar. Bucho quente e recheado para o caminhante merecido.

Mas qualquer bucho que se preze tem de ser bem acarinhado. E ir à Escócia sem provar um Whisky Single Malt é crime de difícil perdão. Desça-se ao Grassmarket e pare-se no Beehive Inn, pub de madeira escura e luzes baixas (os melhores). E, aí chegados, calma na grande área. A variedade é muita e os sabores também, é preciso escolher com cuidado. Talisker, Laphroaig e Glennfidich são clássicos, mas recomenda-se Ledaig, um fumarento e cavernoso malte do sul. Sem gelo (é um crime pedir gelo com whisky) e com um pouco de água mineral. Não se arrependerão.

Revitalizados e aquecidos pelo malte das terras altas, pode-se continuar a noite no Wee Red Bar, a discoteca da Edinburgh School of Arts (o lado do Grassmarket) que ao sábado passa música boa, desde clássicos soul até rockabily americano dos anos cinquenta até ao melhor que o twee pop escocês e o roque contemporâneo produziram. Outra hipótese é ir ao Liquid Room em Candlemaker Row sala mais moderna e impessoal mas com uma selecção musical de valor. Mas atenção, noctívagos latinos: a noite acaba cedo por obrigação. É que os pubs fecham à uma e as discotecas às três. É aproveitar enquanto se pode.

— Dia dois:

Depois do repouso, e sem grandes pressas, pode se passar North Bridge e entrar em Princes Street: New Town aparece perante os olhos, já mais setecentista que a outra parte de Edimburgo. O pequeno-almoço pode ser tomado no Snax em Register Place , uma de duas lojas que se encontra na cidade. Paga-se pouco, come-se muito e bem, um pequeno-almoço completo.

Depois vai-se para Calton Hill, montanha mais pequena que Holyrood mas onde se tem uma bela vista de Leith, a zona portuária. Dois ou três monumentos (entre eles um canhão português) adornam a zona.

Depois é dar corda aos sapatos e ir passeando pelo meio de Broughton Street, umas das ruas mais agradáveis e simpáticas da cidade, cheia de restaurantes e pequenas livrarias. Para o almoço é preciso andar um pouco mais e ir ter até Brandon Street onde se encontra o Circle Cafe, com belíssimas sopas e sandes. Com o passeio fica-se a conhecer as diversas ruas e ruelas residenciais, com alguns pequenos jardins no meio.

Repasto terminado e duas hipóteses na mesa: ou caminhar um pouco mais (cerca de vinte, trinta minutos) até ao Royal Botanic Garden em Inverleith Terrace ou voltar para Princes Street, a avenida do comércio mais cosmopolita e ir até à National Gallery of Scotland ver o melhor da pintura britânica (e alguma europeia) de retratos. Quando os quadros já acabarem, nada como um passeio pelos jardins de East Princes Street para animar. Por qualquer lado, é uma tarde ganha. E, para matar a fome, uma recomendação estranha mas, acreditem, acertada: o Sainsbury’s de St. Andrews Square, mais concretamente os croissants de amêndoa à venda na secção de pastelaria. São uma perdição gulosa para quem anda e muito a pé por Edimbra.

O jantar por estes lados mais empresariais e menos universitários merece estar à altura. Por isso a recomendação vai para o The Standing Order em Georges Street, um antigo banco transformado em casa de pasto. Outra hipótese, se a carteira for larga, é ir ao hotel Howard e deixar-nos levar pelas sugestões escocesas do chefe. Valem bem a pena, acreditem.

Também há duas sugestões de pubs para a noite. O primeiro é o Café Royal Circle Bar em Register Place, com os seus tectos dourados. O segundo é o Black Rose Tavern em Rose Street, mais simples e recatado mas não menos carismático. A vontade é do freguês, já que não distam mais de cinco minutos um do outro.

Para ir sair temos de pedir desculpas, mas o melhor mesmo é voltar para Old Town, que em New Town dança-se, mas não é tão bem. A recomendação vai para o único bar de jeito em Cowgate, o Sneaky Pete’s, lugar pequeno de electrónicas bem ritmadas, concertos de grandes bandas e ambiente jovem (bom jovem, e não bêbado universitário) e divertido. Outra hipótese, para sons mais estridentes, é o Cabaret Voltaire, em Blair Street. E a noite fica ganha.

Onde ficar:

The Howard, 34 Great King Street.

The Scotsman, 20 North Bridge.

Channings Hotel, 12-16 South Learmonth Gardens.

Castle Rock Hostel, 15 Johnston Terrace.

Royal Mile Backpackers, 105 High Street.

Anúncios
Com as etiquetas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Anúncios
%d bloggers like this: